Fotos perdidas mostram que o gelo ártico derretia mais rápido nos anos 30 e 40 do que hoje!

Fonte do parceiro Fakeclimate!

FakeClimate

Em um estudo divulgado na última edição da revista especializada Nature Geoscience, pesquisadores da Dinamarca e dos Estados Unidos descobriram imagens que indicam que o gelo da Groelândia estava derretendo mais rápido nos anos 30 do que agora.

Segundo informações da Universidade do Estado de Ohio (EUA), os cientistas comparam fotos da época com registros feitos por avião e satélite a partir da Segunda Guerra e acreditam que um rápido período de resfriamento no meio do século XX fez novo gelo se formar. Na virada do século, contudo, começa um novo período de aceleramento do derretimento das geleiras.

Ver o post original 544 mais palavras

Anúncios

COP 21: O dia que a Ciência morreu.

FakeClimate

cop21-paris

Por WILLIAM M BRIGGS, publicado em 12 de dezembro de 2015

Presidente Hollande, da França, foi ao microfone e, com grande Soberba Gaulesa, anunciou: 12 de dezembro de 2015 será um dia que viverá em “infâmia”. Ou talvez tenha sido para a “história.” É difícil dizer dado que honradamente estava bastante animado quando falou, vendo que o mundo tinha acabado de ingressar em um memorável acordo para passar o máximo de seu dinheiro, que for humanamente possível, para prevenir o que não pode ser prevenido.

Então faça a sua escolha: infâmia ou história. De qualquer forma, esta data fatídica será lembrada como o Dia em que a Ciência Morreu.

Ver o post original 844 mais palavras

A falsa ciência!

Clique aqui para ler o texto original.

Mais uma irresponsabilidade e falácia científica que nos é dita!

A falta de escrúpulos por utilizar uma falsa ciência e fazer um terrorismo climático, está passando dos limites.

Essa citação é a melhor!

“Teoricamente, isso poderia ajudar os oceanos porque eles se tornam perigosamente ácidos quando absorvem demais CO2 atmosférico.”

Isso foi um chute nas gônadas de Henry! (Lei de Henry)

A total incoerência que se é dita, em uma “importante” revista! É uma total irresponsabilidade citar e contradizer uma ciência bem fundamentada.

Dizer que o mundo está aquecendo e que os oceanos estão se tornando mais ácidos, por causa do CO2? rs…Até onde eu saiba, em dados que vi dos próprios aquecimentistas, poucos, mais poucos dados chegaram a pH 6,7, a maioria está na casa dos 7 a 7,8, assim se eles falassem da tendência de pH Neutro, eu até relevaria, mas ácido?

Agora, se os oceanos estão aquecendo junto com o planeta, como ele pode absorver CO2? Já que a solubilidade de gases em líquidos se dá quando quanto mais aquecido, menor a solubilidade, ou seja LIBERA mais CO2, sem contar que o a concentração de CO2 nos oceanos é somente 60 vezes maior que a da atmosfera, será que somos tão importantes assim?

Se não acreditarem em mim, façam um busca na Lei de Henry, que trata de solubilidade de gazes em líquidos e aí sim julguem quem está errado, eu ou o artigo! Só aviso que a solubilidade de um líquido depende de temperatura, pressão e agitação na superfície do líquido.

Publicação extra! Palestrante no MIT diz que Islamofobia acelera o aqueimento global!

Parece brincadeira, né? Mas não é!

Até aonde irá a audácia dessas pessoas?

O palestrante em questão, é Phd em Antropologia! Qual é a qualificação desse senhor para afirmar uma coisa dessas?

Tradução do início da sinopse dessa palestra.

“Esta palestra examina a relação entre a islamofobia como a forma dominante de racismo hoje e a crise ecológica. Ele olha para as três maneiras comuns em que os dois fenômenos são vistos para ser ligado: como um emaranhado de duas crises, metaforicamente relacionados com um sendo uma fonte de imagens para o outro e ambos originários de formas coloniais de acumulação capitalista. A palestra propõe uma quarta forma de ligar os dois: ‘. Domesticação generalizada “um argumento que ambos estão emanando de um modo semelhante de ser, ou enredamento, no mundo, o que é referido como”

Clique aqui para ver o texto original na página de divulgação do MIT.

Porque não acreditar na existência da camada de Ozônio?

10818397_987360181297809_6858347556068577588_o

Antes vamos ao conceito de camada.
Esse conceito só pode ser aplicado para estratos onde uma certa propriedade físico-química observada, se mantém conservativa, ou seja, ela pode ser verificada em qualquer parte do estrato. (fonte: A geopolítica do Ozônio por Ricardo Felício)

O ozônio para se formar, depende da radiação UVC (Ultravioleta da banda C), provenientes do Sol que é absorvida pelo oxigênio molecular (O2), provocando a quebra da molécula em oxigênio atômico, onde essa reação libera radiação IV (infravermelha) e eventualmente na natureza, o oxigênio atômico, aí se chocar forma o ozônio, que é instável.

Após se formar, dependendo da sua concentração, o ozônio absorve cerca de 10% a 30% da radiação UVB, que quebra a molécula formando O2 novamente (é totalmente errado falar que o ozônio filtra a radiação UV!), sendo que essa radiação que recebemos na Terra, é só uma ínfima parte da radiação solar que estamos sujeitos, quem nos protege da radiação nociva solar é o campo eletromagnético da Terra.

Assim, a chamada ozonosfera, é a o local onde a probabilidade de se observar a formação do ozônio é elevada, mas não é garantida, por período de tempo significativo, sem a presença da radiação solar.

Como podemos ver, o termo camada de ozônio é errado e assim o termo buraco na camada de ozônio, é… Sem comentários de tão errado!

Toda essa falsa ciência, se deve a um Químico chamado Molina (ganhador do prêmio Nobel por estar errado!), onde ele “provou” pela equação de formação do ozônio que os compostos CFCs, reagiriam a radiação UVC e criou-se o alarmismo de que um átomo livre de cloro, seria capaz de destruir 100 moléculas de O3 (ozônio), mas só esqueceram de umas coisas sobre Física e Química!

Além do que, o tempo médio de vida da molécula do Ozônio sem a presença da radiação a UVC, seria de 25 a 40 min, assim, a noite os níveis de Ozônio descem absurdamente e não há renovação, pela baixa intensidade de radiação UVC.

Os compostos CFCs, são em média de 4 a 5 vezes mais denso que o ar, o que inviabiliza ele ter energia suficiente para subir de 15 km a 40 km de altitude na ozonosfera, além do que, os CFCs só reagem a radiação UVC, assim ele teria que chegar acima dos 40 km, pois abaixo não se é mais detectada a radiação UVC, pois o oxigênio molecular já a consumiu!

Para que ocorra a reação da equação de Molina, é necessário calor e na região sugerida, os perfis de temperaturas giram em torno de -82°C a -70°C, o que inviabilizaria a reação é para piorar, o próprio Molina publicou que esse cloro que destruiria, seria provenientes dos CFCs e não das fontes naturais como HCl e ClONO2 e o pior é que ele disse que na Antártida o tal buraco seria proveniente da reação com o gelo em suspensão na atmosfera, isto é, precisa de uma base sólida para ativar a reação, só que esse fenômeno de nuvens estratosféricas na Antártida é extremamente rara, devido a sua baixíssima umidade.

Isso é só uma parte, quem quiser eu explico a equação química do Molina e mais detalhes sobre o erro.

Então, dá para continuar acreditando?