Porque não acreditar na existência da camada de Ozônio?

10818397_987360181297809_6858347556068577588_o

Antes vamos ao conceito de camada.
Esse conceito só pode ser aplicado para estratos onde uma certa propriedade físico-química observada, se mantém conservativa, ou seja, ela pode ser verificada em qualquer parte do estrato. (fonte: A geopolítica do Ozônio por Ricardo Felício)

O ozônio para se formar, depende da radiação UVC (Ultravioleta da banda C), provenientes do Sol que é absorvida pelo oxigênio molecular (O2), provocando a quebra da molécula em oxigênio atômico, onde essa reação libera radiação IV (infravermelha) e eventualmente na natureza, o oxigênio atômico, aí se chocar forma o ozônio, que é instável.

Após se formar, dependendo da sua concentração, o ozônio absorve cerca de 10% a 30% da radiação UVB, que quebra a molécula formando O2 novamente (é totalmente errado falar que o ozônio filtra a radiação UV!), sendo que essa radiação que recebemos na Terra, é só uma ínfima parte da radiação solar que estamos sujeitos, quem nos protege da radiação nociva solar é o campo eletromagnético da Terra.

Assim, a chamada ozonosfera, é a o local onde a probabilidade de se observar a formação do ozônio é elevada, mas não é garantida, por período de tempo significativo, sem a presença da radiação solar.

Como podemos ver, o termo camada de ozônio é errado e assim o termo buraco na camada de ozônio, é… Sem comentários de tão errado!

Toda essa falsa ciência, se deve a um Químico chamado Molina (ganhador do prêmio Nobel por estar errado!), onde ele “provou” pela equação de formação do ozônio que os compostos CFCs, reagiriam a radiação UVC e criou-se o alarmismo de que um átomo livre de cloro, seria capaz de destruir 100 moléculas de O3 (ozônio), mas só esqueceram de umas coisas sobre Física e Química!

Além do que, o tempo médio de vida da molécula do Ozônio sem a presença da radiação a UVC, seria de 25 a 40 min, assim, a noite os níveis de Ozônio descem absurdamente e não há renovação, pela baixa intensidade de radiação UVC.

Os compostos CFCs, são em média de 4 a 5 vezes mais denso que o ar, o que inviabiliza ele ter energia suficiente para subir de 15 km a 40 km de altitude na ozonosfera, além do que, os CFCs só reagem a radiação UVC, assim ele teria que chegar acima dos 40 km, pois abaixo não se é mais detectada a radiação UVC, pois o oxigênio molecular já a consumiu!

Para que ocorra a reação da equação de Molina, é necessário calor e na região sugerida, os perfis de temperaturas giram em torno de -82°C a -70°C, o que inviabilizaria a reação é para piorar, o próprio Molina publicou que esse cloro que destruiria, seria provenientes dos CFCs e não das fontes naturais como HCl e ClONO2 e o pior é que ele disse que na Antártida o tal buraco seria proveniente da reação com o gelo em suspensão na atmosfera, isto é, precisa de uma base sólida para ativar a reação, só que esse fenômeno de nuvens estratosféricas na Antártida é extremamente rara, devido a sua baixíssima umidade.

Isso é só uma parte, quem quiser eu explico a equação química do Molina e mais detalhes sobre o erro.

Então, dá para continuar acreditando?

Anúncios

Um comentário sobre “Porque não acreditar na existência da camada de Ozônio?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s